sexta-feira, 5 de março de 2010

Azul



enquanto colho a dor
com minha pá-de-neve
um grito me apaga
e um poema me escreve


(mário liz)

5 comentários:

Julee pernambucano disse...

Feliz é o poema quando te encontra! :) Beijos meu caro!!!

Mai disse...

Perfeito!
Que bom que existe a poesia.
abraços, poeta.

Renata de Aragão Lopes disse...

Mário,

que lindos versos!
Eu os li e reli
em voz alta!

Beijo,
doce de lira

J. disse...

E, no fim, a poesia sempre salva, né?

Beijos.

Ana Clara Otoni disse...

Adorei conhecê-lo a partir do Impressões, gostei mais ainda de você quando conheci o seu espaço. Parabéns pelo talento com a escrita! Você realmente faz maravilhas com as palavras, meio mar maio rio: mário liz - um nome para guardar.

Quem sou eu

Minha foto
Pouso Alegre, Minas Gerais -, Brazil
Redator Publicitário e Planejamento Estratégico da Cartoon Publicidade, graduado em Publicidade e Propaganda pela UNIVAS. Bacharel em Direito, graduado pela Faculdade de Direito do Sul de Minas. Roteirista do projeto multimídia E-URBANO1 e E-URBANO2, pela UNIVAS E UNICAMP. Ganhador do concurso nacional de redação de 2006 (MEC E FOLHA DIRIGIDA-RJ), onde superou mais de 37.000 concorrentes. Ganhador do Concurso de Redação da UFSCAR, em 2006. Colaborador da Revista Reuni. Tem publicações na revista científica RUA (UNICAMP) e no LIVRO DIGITAL DE 2011 (UNICAMP).